sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Mais, Menos

Faço um grande esforço,
Impossível calar,
Então torço,

Tendo apenas rastros teus, tão pequenos
Desejo o teu bem,
Estar mais e estar menos.

Mais perto do afago,
Afeto certo, decidido e decisivo,
Amor incisivo,
Recuperando certeza perdida,

Sendo mais aberta,
Mais sensível,
Mais sentida,
Percebida,
Abraçada
Querida.
Por quem a tenha,
Merecida,
Mais bem vista,
Mais bem quista,
Evocada,
Ao status de Deusa alçada.
Assumida em um adorador,
Preferida
Mais apreço,
Dignidade de saber que significas conquista,
Contudo, de inestimável e incobrável preço.

Pelas dores que não esquecemos,
Preciso te desejar sendo menos,

Menos suscetível ao alcance da causa do estrago,
Que busca manipular-te, transformando-a em fantoche do desconcerto,
Infecto, ódio que aperta o peito,
Asfixia o respeito.

Menos perdida,
Preterida,
Sofrida,
Destruída,
Destroçada,
Despedaçada,
Ignorada,
Desencontrada,
Contrariada,
Incompreendida,
Agredida, Ofendida...
Vítima do desvalor,
Afogada,
Sumida na dor,
Do desprezo.

É só o que espero,
Sou no que falo sincero.
Que você supere,
O que não for para teus quereres plenos,
E encontre o que minha práxis não pode dar,
Nos veremos, cada um com aquele com quem pode contar,
E nos equilibraremos,
Entregando o mais e ferindo o menos
Conseguindo ver o que sonhamos
Nos brindar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário