domingo, 26 de julho de 2015

Anti-Herói

Pintar uma nuvem de Chantilly. Te colocar embaixo dela e ter como quadro maior da minha comédia de erros.

Impossível é querer ler o futuro depois de falhar no tempo do fogo. E terminar com a borra de chá queimada nas mãos.

domingo, 12 de julho de 2015

Perfeição Possível

Até relógio me falta. Não tenho horas marcadas. Só as vejo no celular que nunca tem crédito, o mesmo que, podendo levar dois chips, só mereceu que eu lembrasse de passar um número pra quem quisesse me achar, portanto, também não te ligo ( será que ainda estou na sua lista de chamadas rejeitadas?).
Quanto ao carro,não merece mais de mim que um raro pensar. Nesse momento, estou mais preocupado em achar um lugar pra minha personalidade que ainda seja acima da terra.
Venho te buscar,de surpresa,com minha única opção: tapete voador. Sempre te disse que era útil confiar na imaginação.
É por meio de meus suspiros que conto o tempo que me resta pra te convencer a vir comigo.
Finalmente, sei que você me vê. Ainda paralisada pela cena surreal,olha pela janela como eu aplico nosso código secreto de expressões faciais, vagamente inspirado  nos emoticons.
Qual tapete mágico era aquele? O que eu sempre quis secretamente que nos servisse de cama.
Pra minha sorte, você é aventureira.
Quis vestir algo mais  refinado naquela noite alta,mas te aceitei de pijama e pantufas.
Você riu.
Nunca precisou me encantar com as melhores roupas
Estão pra voar daqui a pouco,
Esse esforço, um casal como o nosso sempre poupa.

E Não É Que Houve Um Segundo Comunicado?

Pois é... Vou tentar voltar depois de quase dois anos fora do blogger!

Se alguns dos meus nobres seguidores ainda se lembram de consultar a lista de leitura, saibam que quero manter esse blog como projeto "paralelo" em relação ao blog do wordpress , entre outras coisas, pela impossibilidade de exportar de lá pra cá os quase 380 posts escritos nesse ínterim de migração total de plataforma (ponto pra você, Google).

As atualizações não serão no mesmo frenesi de outrora. Outra mudança que vislumbro é a ampliação de gêneros textuais, ou pelo menos a flexibilização pra uma poesia menos rimada, uma forma de prosa poética.

Um motivo pra voltar? Novo caso de platonismo literário...Ou não.

Espero que não tenham se esquecido de mim.

Tirem a Poeira das cadeiras e  sentem-se!

Isso vai ser divertido !

Hoje ainda vai ter post novo!

Até daqui a Pouco!


quinta-feira, 18 de julho de 2013

Primeiro( e presumo, último) Comunicado


Aos leitores desse projeto de versador:

Não postarei mais conteúdo inédito na plataforma blogspot.

A razão: pouco mais de dois anos atrás,  O "Privacidades Públicas" nasceu da especificidade, de uma ansiedade, de uma urgência, e essa urgência não existe mais.

Não se preocupem, a página permanecerá( o que é coerente com alguém incapaz de excluir O ORKUT...Hahahaha!!!)  continuarei acompanhando  minha lista de leitura e responderei os comentários, se/quando houverem.

Todos os posts foram salvos no novo endereço abaixo, uma oportunidade também  de (re)ler posts iniciais:

http://451emais.wordpress.com

Me acompanhe nessa jornada caminhando pra uma (pretensa) melhor organização.

Abraços.

"Exausto, Mas Não Saciado"

Um lugar que não há pra alugar:
O de filho bastardo do Latim vulgar.


quarta-feira, 17 de julho de 2013

Morada Dos Mitos

Pois é,
De um ato poético
Estar diante:

Matar e eternizar,
Concomitante.

Fé de quem profana o profético,
Vista em mente flagrante
E corpo fragrante.


terça-feira, 16 de julho de 2013

"Gozolalia"

Quase me esqueci:
Fracassei com todos com quem quis fazer uns nós,
Quase sucumbi,
Até me lembrar que de ti,
Pude guardar dois pedaços de voz.

Mas, diferente deles,
Sempre abstratamente nobres
E concretamente reles,
Ralos,
Consigo lhe falar dos ritos,
Carinhos e atritos,
Entre peles,
Mãos e seus calos.

Não esquecer quais deuses foram ou resultaram dos falos,
(E por qual caminho alcançá-los)
Teu som, um bônus,
Minha sede do teu sexo, pesado ônus,

Anseio o prisma primeiro de desejosos abalos.


Simples Vazio

Absurdo é o que se afasta da surdez,
E por isso grita mais alto em cada vez.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Canina E Latina (Ou: Só Ladra)

Estarias aqui se fosse há um ano atrás.

Expectativa
Nem tátil, nem ativa,
É seu legado,
Que agora me traz.

Teria te encontrado,
No ano passado,
Mas sempre retardado.


sexta-feira, 12 de julho de 2013

quarta-feira, 10 de julho de 2013

terça-feira, 9 de julho de 2013

Entre Cegueiras

Meu radar se dá ao errado,
Em ácido suicídio temporário,
Mal comum de um retardatário:
Se querer estabilizado,
Nos tempos em que se trocam amores e datas de aniversário.


domingo, 7 de julho de 2013

De Ases, Asas e D's

Dediquei-me aos dêiticos,
Pelos deleites e dias não idênticos,
Diferentes.

Finalmente algo pelo qual vale a pena perder os dentes.


sexta-feira, 5 de julho de 2013

Espontâneo?

Gerador em curto-circuito,
Intuito torto na energia em condução,

Causando aborto
Antes mesmo da fecundação.


O Luto Pelo Último Lótus

É necessário reconhecer
Quando outro alguém se digna a te pertencer,

Agindo melhor do que posso conceber ser.

Irá me restar,
Ver seu rosto se desfocar ao meu olhar,

Meu fonema sufocar,
Me conter,
Pra com teu contato contagiante ainda contar.


terça-feira, 2 de julho de 2013

Detalhes Futuros

Tempestade-Terremoto-Torrente

Peste de erros de remoto ente,

Quanto mais constante,
Mente

De mim, mais rente.


segunda-feira, 1 de julho de 2013

"NoiteFragma"

Pros olhos:
Chuva de terremoto,
Pros flashes,
Não fotografo, senão esgoto.


Outr'Ontem

Devo me perguntar:

Mereço me orgulhar dessa imagem?

De quem confunde crueza com coragem?

Me vangloriar de não lacrimejar
Dando desvios estratégicos ao olhar?

Querendo um lugar dentro do chão
Por saber que se negar ao problema, tampouco é solução?

Sendo levado a crer:
Manter ereta postura
Frente aos afetos
É tornar- se coluna dura
dos perigos concretos?


Quer, Hein?

Sempre a ver,
Sempre há quem,
Tenha algo em,
(Ou talvez, deva melhor dizer)
Se ponha em algo por alguém,
Quando tudo haverá de parecer
Aquém.


domingo, 30 de junho de 2013

ContraTempo

As cinzas da cor,
Corridas com
Carga de chumbo exagerada,
Nítida.

Melodia fora do tom
Esmagada pela tonelada,
Incipiente e insípida.


sábado, 29 de junho de 2013

Janela Pro Teu Carnaval

Saúdo,
Tenho saudade,
Por isso emudeço e mudo,
Imerso nessa sua sinceridade,
Que verte verdade.

Total,
Fatal,
Factual,
Brutal.

Na pele deixada,
Me inunda.

Marcada,
Feito tatuagem,
Espaço aberto,
Por cada facada,
Faz imagem e paisagem,
Do que é dado por certo,
Em alma quando se  aprofunda.




quarta-feira, 26 de junho de 2013

Extração

Não necessariamente despedida ou reencontro:
Convergência, quase casual,
Acidental conversa.

De afago esperando confronto
Ou vice-versa.

Agradeço ao sonho
Que em mim instila teus melhores traços.

Cabelos curtos em mente,
E tragédias gregas dentro da mochila
Ou debaixo dos braços.

Compondo fisionomia permanente






sábado, 22 de junho de 2013

Juno Infinita

Metáfora,
Metida dentro,
Meta- forma,
Em preenchimento.

Porém...

Pela última vez falo,
"Descalo", 
Abro garganta e gargalo 
Faço nas cordas calo

Sobre do que agora se trata:
Grito sem preparo é disparo
E disparo existe pelo fato de que mata.


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Anti-Climax

A rotina
Amarrota,
Cria uma colisão de rotas com os meus afetos.

Arrota meus sentidos como se fossem dejetos.



terça-feira, 11 de junho de 2013

"Gustátil"

Re-comendo,
Me surpreendo,
Memórias outras se oferecem,
Excitam,
Regurgitam,
Permanecem,

Pra tornar as palavras da madrugada mais insones e menos aflitas,
Toda a geografia do que perdi,
Sobrevive e me acalenta agora e aqui,
No sabor de requentadas batatas fritas.


sexta-feira, 7 de junho de 2013

Despertar Onírico

Sentir o sabor
De algo no mais profundo interior,
Nesse momento, tudo parece posterior.

É pra isso que o suor escorre,
E quase todo risco se corre,
A rigor.


quarta-feira, 5 de junho de 2013

Quatro Sensos Do que Te Vem

O que a palavra, quando se desmembra
Nos lembra,

Pode ser o justo inverso do que traz,

Despedir,
Parece do pedido desistir,
Voltar atrás.

Talvez faça sentido aqui:
Me despedi,
A mim regredi,
Quando vi
Meu tão pouco, distante de ti.



Pós-Farto

Perder a localização
Pra todo e qualquer efeito:
Na boca do estômago,
O aperto antes no peito


sexta-feira, 31 de maio de 2013

Pau E Pedra

E mudou o dialeto,
Sem nenhum segredo
Parece tudo mais concreto.

Quando é saudade ou medo,
Mesmo tarde, cedo.

No salto sobre o fato,
Do afeto, meu objeto,
Na forma do trato,
Tato,
Piso no teto.

Sangro anemia do secreto,
Falta-me o abstrato,
Direito ao indireto.


quarta-feira, 29 de maio de 2013

Guisa De DIstinção

A Prosa,diante de cada falta
Se debruça

A Poesia, em cada ausência
Sobressalta,
Soluça.

Queda #415

Melancolia
Se afia
Sem fiança,
Pra quando eu me degolo nela.

E tudo o que eu queria
Era uma coreografia,
Uma dança
Pensada
Em montagem alternada,
Também chamada
Paralela.


domingo, 26 de maio de 2013

Reverberações

Quando cola na mente e na voz,
Entra entre e pelos nós
Uma euforia,
Eufonia de "sins",
Sinfonia,
E só assim,
Ou sempre além,
Se tem,
Ecolalia.

Condicionante

Nenhuma liberdade é irrestrita,
Carta branca é a que ainda precisa ser escrita.



"Panteorismo" II

Até ontem
Ninguém diria
Que diante de uma teoria,
Qualquer divindade de todo e qualquer além
Em fracionada oportunidade,
Honesta,riria,
Com zero de zombaria.


"Panteorismo" I

Meus problemas
A quem os torne teus
Teoremas sem deus,
Mas também
Sem
Certeza de serem
Ateus.

Entusiasmados,
Tanto mais asmáticos
Mais amados.


sábado, 25 de maio de 2013

"AeDolorido"

Eidético,
Edênico,
Velho lobo, no tempo, epilético,
Senhor de passado hermético,
Criogênico.

Histérico paradoxo
Gênio cria,
Forma ideal ativa
Principia,

Mas da própria criatura, sua mente se torna presa cativa,
Obsessiva,
Se vicia.

Num estado ridículo,
De ser, em si, o seu cubículo,
"NecrofilIdílico"

Nostálgico,
Sabor sabido de arsênico,
Ainda assim,
Analgésico,
Hiper(a)mnésico
Anestésico
De objetivo anti-estético,
Tétano no espírito crítico.


Essencial

Eis o que os paradoxos tratam:
Os tempos mortos são os que mais (se) matam.


Franco E Histérico

Se a sentença deve fazer sentido,
Então a premência me deixa espremido.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Engasgo

Quis te dar algo como todo meu desejo,
Parei na garganta,
E entrei com o que a minha franca fraqueza arranca,


Com um parabéns, bobo neologismo e simulacro de beijo.


quinta-feira, 23 de maio de 2013

Sem Tarja


Fecundação Kundalini,
No retorno das polifêmicas,
É assim que se define,
Seu polinizar de polêmicas.


quarta-feira, 22 de maio de 2013

Segredos Secretados

Me esqueceu,
Entre pilhas de papéis e missões a cumprir,
Se perdeu, 
Dos meus cumprimentos fez questão de se eximir.

Agora posso constatar
Com pesar
Ou de tudo,apesar
As relações que se obriga a falsear,
Causas que depois de implantar,
Finge amputar,
Pra não, nela mesma, ressecar
Tendo que explicar
Nada a quem se espantar,
Vendo como perigoso e ilícito,
Implícito ou explícito,
O teu gozar.

Posso muito bem errar,
No meu trato desses fatos que tento interpretar.

Mas se me desconcerto,
É por saber que só posso me retratar a partir  de um "perto",
Sempre Incerto,
Que temo nunca conseguir alcançar.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Outro Monte

Na Gruta,
Se grita,
Grunhe
Gutural,
Agressiva.

Bandeira,
Que se empunhe,
Tateada,
Tatuada,
Putativa,
Ou seja,julgada,
Presumida.

Onde também se geme,
Treme,
Gustativa.



domingo, 19 de maio de 2013