quinta-feira, 8 de março de 2012

Modulação de Frequência # 2

Mais triste e mais velho
Sobre amor não aconselho.

Mesmo tendo o amanhã nos meus olhos,
E os sinais do belo sob seus monopólios.

E apesar de saber que os sorrisos voltaram aos rostos,
Que novos chamados para o sol foram compostos,
Ainda tenho amargores injustos postos,
Onde nada está bem
Sobressaindo-se os desgostos.

Mais um dia que se mede,
Acinzentando, se sucede,
Acidentando as horas,
De dor para que o demiurgo se apiede.

Eis o motivo pelo qual minha alma não definha:
O gosto da tangerina me encaminha,
Para o tempo em que me acreditei amado,
Acompanhado de uma rainha.

Fazia tempo que aqui estava desencontrado,
Uns mil anos de vertiginoso passado...

Será que ela ainda se lembra,
Dos momentos em que juntos, celebrávamos,cada um, à sós?
Ela poderá pensar novamente em nós?

Algo a fazer por mim:
Voar pra longe,
Ao contrário e até o fim.

Antes que me restem apenas impropérios,
Enquanto ela mergulha e nada nos mistérios.

Antes que eu possa inventar uma prisão de legados,
Imaginar pecados,
E construir as lápides de íntimos cemitérios.

Novamente o pó retorna,
Para ser lambido onde o sofrimento se forma,
E assim engasguemos de aflição com a poeira,
Conosco agora,
Ou durante doze horas,
Pelo dia,
Ou a vida inteira.

Possibilitando que nos contamine,
Aos gritos de "Não chore e assine!"

Prematura melodia,
Pontuada pelo horizonte,
Quando o raiar se anuncia,
Mas que termina cedo demais,
Antes de alguém se dar conta de que a conhecia.

Mais calma que a garoa,
De brilho maior que o da neve,
Suavidade melhor que a de noite,
(Aquela que, a mim, unicamente atordoa):
Gritando para o céu,
Ele te ecoa,
Sem se omitir,
Teu faz-de-conta
Carrega a coragem de deixar tudo ir.

Eu frágil,
Feito do que se desmonta,
Tenho como maior medo
O de cair.

Então,
A garoa se torna chuva,
É para ti, perfeita,
Caindo como uma luva em seus pequenos dedos,
Você se diverte contando os pingos,
Eles, lhe confidenciam segredos.

Nossos olhares se cruzam,
Pra que nossas línguas mutuamente nos seduzam,
Não me pergunte a razão delas quererem isso fazer,
Além do desejo de obstáculos remover.




Nenhum comentário:

Postar um comentário