sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Nada Melhor...

É lícito que canse
Toda vez que eu me repita,
Mas esse hábito me habita,
Talvez só nele eu avance.

Pra ti,
Por mim
(Peço, de novo, que reflita):

Vale a pena crer,
Seguir assim,
Na ilusão de viver
Eternidade infinta.

Dizer menos do que você merece,
Na frequência com que acontece,
Mais  que aborrecer,
Me apodrece.

Sinceridade,
Vem por querer:

És quem faz valer,
E por hoje, se reverencia.

Abrigada ambiguidade:
Essa cidade esvazia.

Lhe é novidade,
Se de todo mundo e ninguém,
Me divido em entre e aquém?

Falo demais,
Sem dever lamentar esse dia,
Fique bem,
Sorria.





Nenhum comentário:

Postar um comentário