domingo, 11 de novembro de 2012

Quem Se Ausenta, Dissente?

Aqui estavam os ouvidos
Agora partidos.

As vozes extraídas das bocas,
Roucas,
Autocríticas
Aristocráticas,
Autoritárias,
Poucas

Tornaram os sons cinicamente olvidados,
Sumariamente esquecidos.

Os ouvintes, feitos surdos com os estampidos,
Atirados contra os tiros,
Retirando seus suspiros
De dentro dos peitos feridos.

Será que com  nenhuma gota de sangue,
(Para além do que me vem)
Eu interfiro?

Me referindo ao combustível para aniquilar,
Apressadamente depreciar
O Teatro dos vampiros?

Miro o presente que me ultrapassa,
O vazio transpiro, em febre que não passa,
E cada vez mais fumaça
Aspiro.




Nenhum comentário:

Postar um comentário