sábado, 10 de novembro de 2012

O Caderno Azul, O Cabelo Vermelho

Ter  uma bolha,
Como escolha,

Para se ater,
E não temer,

Que o urro,
De voz crua,
Ou pele nua

Nunca se evidencie
Perto demais de onde,
Ninguém o aprecie.

Desejo:
Um descarrilado bonde.

Lampejo:
Ferro em brasa contra a pele que arde.

É tarde,
Mas sigo,

Você não foi fabricar nuvens comigo,
Quando quis "Avant-Garde".

Minha cabeça pode explodir...
Ou não...
Eis minha grande ambição:

Pedir verso,
Diverso em quem se negar a ser omisso,
Pra declamarmos
Ou reclamarmos
Sem compromisso,
Qual o problema nisso?




Nenhum comentário:

Postar um comentário