sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Onde?

Temo pelos desaparecimentos
De seus delírios, líricos pensamentos,
E subsequentes movimentos.

Terão perecido?
Enrijecido?

Quando vivos,
Em  qualquer momento,
Sou um dos que os visualizam.


Porém, lamento,
Se estão tal qual cimento,
E assim, nada concretizam.





Nenhum comentário:

Postar um comentário