terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Me unir a ti...

Conjunção,
Felicidade do acaso
Simplesmente encontrou
Minha libertinagem falsária
Que chamou tua atenção,

E disse para mim
(ao mesmo tempo que pro mundo):
"Ou fervo ou vou perecer... Profundo."
Alegre diplomacia,
Algo que, dizem os números,
A quem é digno de seus afetos inúmeros,
Se premia.

Suponho, doravante
(mesmo me arriscando na superficialidade)
Tê-la como alguém com o outro tolerante,
E amante da verdade.

O que é tido por muitos como digno de cuidado,
Para ela  pode ser apenas um fato dado,
Respeitado em sua ausência inelutável de saída,

O ciúme (talvez)
A censura (preterida?)
A exagerada preocupação (possível aparecer, de quando em vez...)
A preguiça (Ela diz: "um modo de vida")

Saiba que me é estimada,
Apreciada,
Querida, mesmo distanciada.

Compassiva ao alheio sofrimento,
Vejo que se nossa amizade é uma construção,
Deixo a mostra meus tijolos, sentimentos.
E igual a você, em letras os solidifico,
 Levantando pavimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário